Untitled Document
Bom dia, 14 de abr
Untitled Document
Untitled Document
  
EcoAgência > Notícia
   
Rio+20 - Exclusivo/EcoAgência

Terça-feira, 19 de Junho de 2012

 
     

Cúpula dos Povos debate Diálogos sobre o Desenvolvimento Sustentável

  

A tenda Vasconcelos Sobrinho, no Aterro do Flamengo, reuniu interessados em discutir os resultados e efeitos do evento que se propôs a ser o ponto em que sociedade civil, movimentos sociais e governos pudessem conversar para levar propostas para a Rio+20.

  

Raíssa Genro    
Diálogos foram considerados monólogos por ONGs


Por Raíssa Genro, especial para a EcoAgência de Notícias

Organizado pelo Instituto Vitae Civilis dentro da programação da Cúpula dos Povos, a tenda Vasconcelos Sobrinho foi palco nesta terça-feira (19) de uma avaliação dos Diálogos sobre o Desenvolvimento Sustentável (DDS), que se encerrou hoje. Os Diálogos foram reuniões temáticas preparatórias para a Conferência da ONU sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, com o objetivo de aprofundar e difundir o debate sobre a sustentabilidade mundial.

A proposta inicial do espaço na programação da Rio+20 era ser o ponto em que sociedade civil, movimentos sociais e governos pudessem conversar para redigir o texto que será a base das discussões da Conferência. Pessoas do mundo inteiro foram chamadas a identificar e eleger prioridades em dez temas relacionados ao desenvolvimento sustentável, firmando dessa forma a ideia do governo brasileiro de reunir propostas concretas para a Rio+20.

Os DDS foram anunciados pelo governo brasileiro como uma inovação da Rio+20, uma vez que se propunha a ser o espaço no qual muitos segmentos sociais poderiam influenciar o processo oficial de negociação com chefes de Estado, que ocorre no final da Conferência, entre 20 e 22 de junho. Mas toda esta inovação e expectativa não foi correspondida. A avaliação de Aron Belinky, da organização Vitae Civilis, foi de que faltou clareza, e a própria metodologia foi responsável por enfraquecer o processo. No período que antecedeu os DDS, as organizações não-governamentais optaram por não participar da atividade, por entender tratar-se muito mais de um monólogo do que um espaço para o efetivo debate.

Joice Brandão, da WWF Brasil, avaliou que o tempo estimulado para participação dificultou o desenvolvimento das propostas, assim como a votação pela internet. "Muitas partes não foram comtempladas", destacou Joice. Fernando Iglesias, da coordenadção do Fórum Brasileiro de ONGs e Movimentos Sociais para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento (FBOMS), alertou para a ironia de que, antes mesmo do final dos Diálogos, boa parte do documento final que será base para a Rio+20 já estava pronto. O fracasso dos Diálogos, porém, não é considerado unânime. Wagner Machado, geógrafo da USP que esteve presente durante o evento, ressaltou que "uma reunião multilateral entre chefes de estado e a população é, sim, louvável, por sua iniciativa". Para o Vitae Civilis, a principal falha ficou por conta das discussões dos DDS estarem descoladas daquelas que aconteceram nos processors autônomos, em especial na Cúpula dos Povos.

Ecoagência Solidária de Notícias Ambientais

  
  
  
Untitled Document
Autorizada a reprodução, citando-se a fonte.
 
Mais Lidas
  
Untitled Document
 
 
 
  
  
  Untitled Document
 
 
Portal do Núcleo de Ecojornalistas do Rio Grande do Sul - Todos os Direitos reservados - 2008