Untitled Document
Boa noite, 29 de jan
Untitled Document
Untitled Document
  
EcoAgência > Notícia
   
Hidrelétricas

Segunda-feira, 30 de Julho de 2012

 
     

Belo Monte vem causando divisão de aldeias e diminuição do rio

  

Dois engenheiros da Norte Energia foram detidos em aldeia por índios Juruna e Arara.

  


Por Daniele Silveira - Radioagência NP

Os dois engenheiros da empresa Norte Energia, consórcio responsável pela construção da hidrelétrica de Belo Monte, continuam detidos na aldeia Muratu. A informação foi confirmada pela empresa nesta quarta-feira (25). Na última segunda-feira (23), os representantes do grupo empresarial se reuniram com índios Juruna e Arara para a discussão dos mecanismos que serão criados após o barramento do rio Xingu (PA). Os indígenas alegam que faltou clareza na apresentação do projeto, além de a linguagem adotada ter sido extremamente técnica. Sem explicações suficientes, os índios não permitiram que os funcionários deixassem o local até que a empresa atenda algumas demandas.

O integrante do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), Antônio Claret, explica como esse trecho da obra irá impactar a vida do povo nativo. “O barramento vai significar um trecho de 100 km, que é a Volta Grande do Xingu, a vazão do rio vai ficar apenas em 20%. Então, na verdade, vai ficar um fio d´água, e isso é extremamente impactante para todos os povos que moram ou que necessitam dessa água do rio, como os pescadores, e também para os indígenas.”

Antônio ainda conta outros problemas gerados pelo empreendimento. “A empresa está doando coisas para os indígenas, doa voadeira [canoa usada por ribeirinhos na Amazônia], doa R$ 30 mil para cada aldeia por mês, doa combustível, e isso está massacrando os indígenas ainda mais. Eram 19 aldeias afetadas, então essas 19, elas passaram para 34 aldeias, justamente porque os indígenas começam a se dividir.”

Entre as principais reivindicações dos índios para a liberação dos engenheiros está a conclusão do sistema de abastecimento de água nas aldeias das terras indígenas afetadas e que o Ibama e a Funai assumam o compromisso de não liberar a obra até que exista clareza e segurança sobre a transposição.

Radioagência NP/EcoAgência

  
  
  
Untitled Document
Autorizada a reprodução, citando-se a fonte.
 
Mais Lidas
  
Untitled Document
 
 
 
  
  
  Untitled Document
 
 
Portal do Núcleo de Ecojornalistas do Rio Grande do Sul - Todos os Direitos reservados - 2008