Untitled Document
Boa tarde, 03 de fev
Untitled Document
Untitled Document
  
EcoAgência > Notícia
   
Animais

Quinta-feira, 20 de Setembro de 2012

 
     

Matança de baleias e golfinhos está a todo vapor em Taiji, no Japão

  

Dos quase 100 animais incluindo baleias e golfinhos presos na enseada de Taiji por dois dias, quase metade foi abatida no último sábado.

  

Sea Shepherd Conservation Society/Cove Guardians    


Por Patricia Tai - Anda

Morreu mais uma baleia-piloto que foi capturada na semana passada com seu filhote, em Taiji, no Japão. Nos últimos dias, cerca de 100 mamíferos marinhos, incluindo baleias-piloto e golfinhos, foram capturados e presos na enseada de Taiji, e metade deles também já foi abatida. As informações são do Digital Journal. Ativistas informaram que a baleia fêmea estivera doente por vários dias. A baleia e seu filhote foram separados do seu grupo, enquanto os outros membros do grupo foram abatidos para ter a sua carne destinada à alimentação humana.

Informantes locais em Taiji estavam monitorando o animal desde a sua captura. Voluntários dos Guardiões da Enseada – os “Cove Guardians” -, grupo formado pela ONG Sea Shepherd, descreveram como as baleias sofriam queimaduras solares e não eram alimentadas. “O filhote tirava a cabeça da água continuamente”, disseram eles, “enquanto a mãe nadava na superfície, em círculos, ao seu redor”, ilustrando o mal estar, o estresse e o desconforto dos animais após a captura. Eles sabem que vão morrer.

Na sexta-feira, a Sea Shepherd Conservation Society (SSCS) emitiu uma nota dizendo: “A baleia-piloto mãe morreu. Ao nascer do sol nós vimos seu corpo flutuando na água enquanto o seu filhote se debatia ao seu lado”. Pouco tempo depois, os Guardiões descreveram o momento em que os pescadores entraram e, enquanto o filhote olhava, embrulharam a baleia morta em uma lona e levaram o corpo para fora para ser despedaçado em um frigorífico e ser vendido para alimentação de humanos. A cena é muito triste.

Mas a morte da baleia mãe não foi o único incidente dos últimos dias no local. Nesse meio tempo, ao longo da enseada, o grupo de quase 100 animais, incluindo baleias-piloto e golfinhos-nariz-de-garrafa, passou mais um dia preso. Monitores dos Guardiões da Enseada, juntamente com a ONG Save Japan Dolphins (SJD), informaram em sua página do Facebook que esse parece ser o maior grupo de baleias-piloto capturado na região nessa época, nos últimos três anos.

Para os animais capturados, o destino é ou o cativeiro ou a morte. Das 28 baleias-piloto de nadadeiras curtas capturadas na semana anterior, vinte e cinco foram abatidas.

A Sea Shepherd tem atualmente cinco voluntários do Guardiões em Taiji que estão pedindo ao público que proteste e ajude a salvar esses animais. “Eu encorajo a todos que estiverem interessados ​​em nossa campanha para que se envolvam, há muitas maneiras de ajudar”, diz Melissa Sehgal, líder de campanha dos Guardiães da Enseada. Becca Jurczak, monitora do Guardiões, informou que a cidade de Taiji está fechando ainda mais os acessos dos monitores às informações sobre a captura e a matança, neste ano.

O ativista Martyn Stewart reforça que a pressão popular é fundamental para que a crueldade deixe de ser praticada contra os mamíferos marinhos em Taiji. Ele, que tem estado presente no local testemunhando a barbárie, disse: “A cena é de uma centena de baleias amontoadas na enseada, confusas, assustadas e com fome, esperando a morte”. Ele passou os últimos dias pedindo que pessoas do mundo todo enviassem cartas e e-mails às embaixadas japonesas para pedir que as baleias fossem liberadas.

A Sea Shepherd informou que muitas baleias estavam lutando. “Mergulhadores entram na água e amarram cordas em torno de suas caudas e as arrastam para águas rasas”. Uma baleia desesperada, disse a Sea Shepherd, jogou-se sobre as rochas para escapar, e se feriu. Pescadores amarraram uma corda à sua cauda e a arrastaram para a parte rasa da enseada. Martyn descreveu a cena como um “massacre”. Há “baleias-piloto separadas, apreensivas, à espera de serem abatidas cruelmente”, disse ele. “Motores estão prestes a serem lançados em seus corpos, como serras circulares!”, complementou.

Por volta das 4:39 da madrugada do sábado, dia 15, os Guardiões da Enseada anunciaram que a surra e os gritos de baleias haviam cessado. Aproximadamente metade das baleias, entre os 100 animais, havia sido abatida. Devido ao mau tempo, as baleias-piloto restantes, juntamente com 5 a 6 golfinhos, foram deixados para mais uma noite na enseada.

De acordo com a Sea Shepherd, as baleias foram forçadas a nadar nas águas sangrentas que testemunhavam o assassinato de seus companheiros. Eles estão “vivos por enquanto”, disse a SSCS, na matéria publicada no sábado, dia 15 de setembro.

Recentemente, foram feitos protestos no Brasil organizados por ONGs como VEDDAS, AILA e Veterinários na Estrada, conforme noticiado na Anda no dia 01 de setembro.

 

Anda/EcoAgência

  
  
  
Untitled Document
Autorizada a reprodução, citando-se a fonte.
 
Mais Lidas
  
Untitled Document
 
 
 
  
  
  Untitled Document
 
 
Portal do Núcleo de Ecojornalistas do Rio Grande do Sul - Todos os Direitos reservados - 2008