Untitled Document
Boa tarde, 02 de dez
Untitled Document
Untitled Document
  
EcoAgência > Notícia
   
Energia nuclear

Terça-feira, 19 de Fevereiro de 2013

 
     

Contribuinte japonês paga pelos prejuízos de Fukushima

  

Relatório do Greenpeace Internacional mostra como legislação japonesa – e de todo o mundo – poupa a indústria nuclear dos custos de possíveis desastres

  

Reprodução da Capa    


Por Leonardo Medeiros - Greenpeace

Passados quase dois anos do desastre de Fukushima – acidente que escancarou mais uma vez os perigos da energia nuclear –, o Greenpeace Internacional mostra como os prejuízos foram repassados ao bolso dos contribuintes japoneses, enquanto a indústria foi poupada.
 
Lançado nesta terça-feira em Tóquio, no Japão, o relatório “Fukushima Fallout: Nuclear business makes people pay and suffer”, (do inglês “As consequências de Fukushima: a indústria nuclear faz as pessoas pagarem e sofrerem”) avalia as regulamentações do Japão e de diversos países sobre a indústria nuclear.
 
Acesse a íntegra do relatório (em inglês) por meio do link: www.greenpeace.org/international/fukushima-fallout/
 
A conclusão é que, em caso de desastres, as fabricantes de reatores nucleares seriam completamente poupadas. Já as operadoras das centrais teriam que desembolsar apenas entre € 350 milhões e € 1,5 bilhão para cobrir os prejuízos – cifra bastante inferior aos US$ 250 bilhões necessários para pagar os custos de Fukushima.
 
“Fukushima desmontou a farsa do discurso de segurança da indústria nuclear. O desastre teve um enorme impacto ambiental, social e econômico”, disse Ricardo Baitelo, da campanha de Clima e Energia do Greenpeace Brasil. “A má notícia é que a indústria da energia nuclear não tem responsabilidade total sobre esse ônus, transferindo as perdas para o Estado e para os contribuintes.”
 
Incapaz de arcar mesmo com os custos iniciais do acidente, a operadora da central de Fukushima, a TEPCO, teve de ser estatizada após o desastre. Já a GE, a Hitashi e a Toshiba, fabricantes dos reatores, não pagaram nada, mesmo tendo responsabilidade pelas falhas de engenharia que permitiram o acidente.
 
“Esse sistema injusto, que responsabiliza os cidadãos, em lugar das empresas que lucraram, mas que não pagam a conta do prejuízo, pode se repetir em qualquer outro país”, complementa Baitelo.
 
“Contrariando todos os alertas, o Brasil cogita voltar a investir nessa fonte de energia, mesmo com opções mais baratas e mais seguras, como a eólica, solar e biomassa. Não aprendemos mesmo com as lições”, conclui.
Greenpeace - EcoAgência

  
  
  
Untitled Document
Autorizada a reprodução, citando-se a fonte.
 
Mais Lidas
  
Untitled Document
 
 
 
  
  
  Untitled Document
 
 
Portal do Núcleo de Ecojornalistas do Rio Grande do Sul - Todos os Direitos reservados - 2008